Adrenais

As glândulas adrenais ou supra-renais, localizadas uma sobre cada rim, são constituídas por dois tecidos secretores bastante distintos.

Um deles forma a parte externa da glândula, o córtex, enquanto o outro forma a sua porção mais interna, a medula.

Medula adrenal

A medula adrenal produz dois hormônios principais: a adrenalina (ou epinefrina) e a noradrenalina (ou norepinefrina). Esses dois hormônios são quimicamente semelhantes, produzidos a partir de modificações bioquímicas no aminoácido tirosina.

Quando uma pessoa vive uma situação de estresse (susto, situações de grande emoção etc.), o sistema nervoso estimula a medula adrenal a liberar adrenalina no sangue. Sob a ação desse hormônio, os vasos sanguíneos da pele se contraem e a pessoa fica pálida; o sangue passa a se concentrar nos músculos e nos órgãos internos, preparando o organismo para uma resposta vigorosa.

A adrenalina também produz taquicardia (aumento do ritmo cardíaco), aumento da pressão arterial e maior excitabilidade do sistema nervoso. Essas alterações metabólicas permitem que o organismo de uma resposta rápida à situação de emergência.

A noradrenalina é liberada em doses mais ou menos constantes pela medula adrenal, independentemente da liberação de adrenalina. Sua principal função é manter a pressão sanguínea em níveis normais.

Córtex adrenal

Os hormônios produzidos pelo córtex adrenal são esteroides, isto é, derivados do colesterol e conhecidos genericamente como corticosteroides. Os principais são os glicocorticoides e os mineralocorticoides.

Glicocorticoides

Os glicocorticoides atuam na produção de glicose a partir de proteínas e gorduras. Esse processo aumenta a quantidade de glicose disponível para ser usada como combustível em casos de resposta a uma situação estressante. O principal glicocorticoide é o cortisol, também conhecido como hidrocortisona. Além de seus efeitos no metabolismo da glicose, a hidrocortisona diminui a permeabilidade dos capilares sanguíneos. Por causa dessas propriedades, a hidrocortisona é usada clinicamente para reduzir inflamações provocadas por processos alérgicos, entre outras coisas. Deve-se evitar o uso prolongado de hidrocortisona, pois essa substância tem a propriedade de deprimir o sistema de defesa corporal, tornando o organismo mais suscetível a infecções.

Mineralocorticoides

Os mineralocorticoides regulam o balanço de água e de sais no organismo. A aldosterona, por exemplo, é um hormônio que estimula a reabsorção de sais pelos rins. Isso causa retenção de água, com consequente aumento da pressão sanguínea. A liberação de aldosterona é controlada por substâncias produzidas pelo fígado e pelos rins em resposta a variações na concentração de sais no sangue.

Estado emocional, hormônios adrenais e doenças

Estado de depressão emocional pode atuar sobre o hipotálamo, fazendo-o estimular as glândulas adrenais. Com isso, a depressão sanguínea se eleva e o metabolismo geral do corpo é alterado de modo a permitir que o organismo enfrente a situação de estresse. A persistência de tal situação pode resultar em doenças. Pressão sanguínea elevada, por exemplo, predispõe o organismo a diversos tipos de doenças cardíacas.
Hoje já se sabe que a persistência de níveis elevados de cortisol no sangue, como ocorre no estresse crônico, deprime o sistema imunitário, o que torna o organismo mais suscetível a infecções e contribui para o aparecimento de úlceras, hipertensão, arteriosclerose e, possivelmente diabete melito.

 

Como referenciar: "Glândulas Adrenais" em Só Biologia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2018. Consultado em 21/02/2018 às 02:32. Disponível na Internet em https://www.sobiologia.com.br/conteudos/FisiologiaAnimal/hormonio5.php